Empresas de segurança e saúde no trabalho faturaram 236 milhões de euros em 2022, mais 2,2% que em 2021, avança a Informa D&B.

“Os últimos anos tinham mostrado uma tendência consistente de crescimento nesta atividade e no negócio gerado, mas a pandemia de Covid-19 provocou oscilações significativas. Em 2020, a faturação recuou bastante, mas em 2021 cresceu mais de 15% devido à contratação de serviços de prevenção de riscos profissionais associados à pandemia e ao teletrabalho”, revela o comunicado.

A Informa D&B revela ainda que em maio de 2023, existiam em Portugal 630 entidades autorizadas a prestar serviços externos de saúde e segurança no trabalho, das quais 220 com autorização para prestar os dois tipos de serviços.

Nos dois últimos anos o número de operadores manteve-se praticamente inalterado, avança o estudo.

“O setor é constituído maioritariamente por pequenas empresas que desenvolvem a sua atividade a par de um grupo mais reduzido de empresas de maior dimensão”, revela a Informa D&B que acrescenta que só há 13 operadores que têm mais de 50 pessoas ao serviço.

As empresas de maior dimensão tendem a operar tanto no mercado de segurança no trabalho como no de saúde no trabalho.

Os distritos de Lisboa e Porto concentram 19% e 18% do total de empresas, respetivamente, destacando-se ainda Braga, com 10%, e Aveiro, Setúbal e Coimbra com concentrações compreendidas entre 6% e 9%.

Segundo o estudo, os cinco principais operadores detinham em 2022 uma quota de mercado conjunta de 17%, percentagem que sobe para 26% quando se consideram os dez principais.