A UE chegou à conclusão a que todos já tinham chegado: os banners para o consentimento de uso cookies dos sites são “chatos”.

Desde a entrada em vigor do Regulamento de Protecção de Dados da União Europeia, ou RGPD, que todos os sites que usem e coloquem cookies nos browsers dos utilizadores têm de mostrar um banner para que o utilizador possa dar o consentimento explícito para a colocação e utilização desses cookies.

Apesar de ter dado um maior controlo sobre que cookies são colocados nos browsers, esta norma também obriga os utilizadores a clicarem nesses banners sempre que entram num site novo (ou que não visitem há algum tempo) e a certa altura já ninguém analisa que cookies são usados e clica logo no botão de consentimento. O que, como se pode calcular, não era o que a UE tinha em mente quando aprovou esta norma.

Em declarações ao jornal alemão Welt am Sonntag, o Comissário de Justiça da UE, Didier Reynders, disse que tinha noção do quão chatos são os banners para o consentimento da colocação de cookies e que a Comissão está à procura de uma forma de os suavizar. Também disse que, apesar de os sites não poderem colocar cookies nos browsers dos utilizadores sem os informarem acerca do seu propósito, essa obrigação não deve prejudicar a navegação na web.

Uma das soluções que estão a ser consideradas é que os sites se lembrem das preferências dos utilizadores e apenas mostrem o banner de consentimento uma vez por ano.

A Comissão Europeia também quer as maiores plataformas como a Meta, X e outras assumam voluntariamente um ‘compromisso para os cookies’. Este compromisso obriga ao fornecimento de informações transparentes acerca do propósito e utilização de cookies, evitando assim inconvenientes para os utilizadores. Um outro objectivo do compromisso é que os sites mais pequenos também sigam este compromisso.

A procura de um equilíbrio entre a privacidade e as necessidades dos anunciantes não é exclusiva dos reguladores. A Google tem estado a trabalhar na eliminação da utilização de cookies no browser Chrome. Novas tecnologias como os Trust Tokens e Privacy Sandboxes foram pensadas para oferecer aos anunciantes informações limitadas acerca dos hábitos dos utilizadores e ao mesmo tempo proteger os dados pessoais. No entanto, há algum receio de que a Google use estas tecnologia para limitar as funcionalidades do browser. A Google vai deixar de usar cookies de terceiros ainda este mês.

Encontrar este equilíbrio é importante para a Google porque a publicidade é um aspecto importante do seu modelo de negócio. Por outro lado, empresas como a Mozilla e a Apple, que não dependem tanto da publicidade online, já limitam bastante a utilização de cookies para publicidade.

Fonte: PcGuia